| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Stop wasting time looking for files and revisions. Connect your Gmail, DriveDropbox, and Slack accounts and in less than 2 minutes, Dokkio will automatically organize all your file attachments. Learn more and claim your free account.

View
 

O Patinho que não Aprendeu a Voar

Page history last edited by PBworks 12 years, 11 months ago
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACED – PEAD
Curso de Pedagogia a Distância/FACED/UFRGS.
 
           INTERDISCIPLINA: Literatura Infanto Juvenil e Aprendizagem.                
 
          PROF. : Maximira Carlota André
 
COMPONENTES DO GRUPO: Carem da Silva Mengue; Catiane Cardoso Vargas; Cristiana Hoffmann Cândido; Deise Monteiro; Edivan Machado; Gislaine Cardoso Aguiar; Gleicemere Santos Pereira; Josiqueli Ferreira Gomes; Simone de Oliveira Lentz e Tanara Justo Mengue.
 
O Patinho que não Aprendeu a Voar
 

 

 

 

Taco era um patinho. Era amarelo e fofo como todos os patinhos, quando acabam de sair dos ovos. Mamãe pata olhava feliz para Taco e seus nove irmãozinhos. 

         Papai pato conversava com os amigos e dizia, orgulhosos que seus filhos haveriam de ser lindos patos selvagens, capazes de voar longe, muito longe livres...
         Brincavam o dia inteiro, fazendo uma enorme gritaria, com toda a criançada da vizinhança: os sabiás, os beija-flores, os coelhinhos.
         E chegaram mesmo a ficar amigos de uns peixinhos, com quem gostavam de apostar corrida no ribeirão.
         Tudo era só brincadeira até que o pai chamou todos os patinhos e, com ar muito sério disse:
         -Chegou a hora de começar o treinamento para a liberdade. Taco perguntou logo se liberdade era coisa de comer, se era doce ou azeda. Nenhum patinho tinha ouvido esta palavra antes.
          Papai pato deu uma risada e disse:
          - Não, não é nada disto.
          Liberdade é poder fazer aquilo que agente quer muito, muito mesmo.   O que as nuvens mais querem é virar chuva. Porque a chuva faz as plantas brotarem.              
          E as nuvens ficam felizes quando viram chuva.
         O que os sabiás mais querem é começar a cantar, antes do sol nascer, aquele canto triste e comprido, que faz com que todos os bichos fiquem felizes porque os sábias existem. O mundo seria tão triste sem eles...
         O que os beija-flores mais querem é ser capazes de bater as asas tão rápido, que ninguém vê, e ficar voando, parados, na frente das flores, sugando o seu melzinho.
         As flores sorriem para os beija-flores e os beija-flores sorriem para elas. E todos se sentem felizes.
         O que as rosas mais desejam é tomar um banho de sol e espalhar o seu perfume...
         E há um peixe que tem um desejo enorme de voltar às nascentes do rio onde nasceu.                        
        E para voltar a este lugar encantado ele é capaz mesmo de soltar sobre cachoeiras...
        -E nós, que é que nós mais queremos?- perguntou um dos irmãozinhos.
         -Nós somos patos selvagens. Nosso maior desejo mais fundo, a coisa que mais queremos , é voar. Voar alto. Voar muito alto.
         Voes verão, quando crescerem um pouco mais. Vocês sabem o que é saudade? Saudade é uma coisa que a gente sente quando alguém muito querido partiu e está muito longe. Saudade dói. Às vezes a gente chora de saudade. Pois bem: isto, que nós patos selvagens sentimos, se parece com saudade. Do mesmo jeito que o peixe faz tudo para voltar ao lugar onde nasceu, nós fazemos tudo para chegar às alturas. Nós nascemos para viver nas alturas.
Lá no alto é maravilhoso, continuou o pai. Ás vezes, de tarde, o sol vai se pondo, escondendo-se atrás das montanhas. As nuvens vão ficando vermelhas. Todos os bichos vão voltando para suas casas. As árvores, as matas, as montanhas, o vento, tudo está quietinho. Como se estivesse rezando. Só se ouve o flap-flap das nossas asas. E a gente sente que aquele momento é a coisa mais bonita da vida inteira...
   Taco desatou numa gargalhada.
         - Que é isto, papai? Voar nestas alturas? Aqui embaixo está tão bom. Eu não sei voar e não quero aprender a voar. Corro muito bem, brinco de pique, sei nadar, me divirto á beça com a meninada... Que coisa mais gostosa pode existir na vida?        
         Não existe nada que eu troque por uma brincadeira de esconde-esconde com os coelhinhos e os pardais...
         O papai Pato parou de sorrir.
         Seus olhos ficaram tristes.
         Ele pensou antes de falar.
         - Eu não queria falar sobre isto agora, porque é muito triste. Mas o pato que não aprende a ser livre acaba virando pato doméstico.
         - O que é isto, pato doméstico?- perguntou um dos patinhos com um bocadinho de medo.
         - A gente fica doméstico quando arranja um dono.
         - E o que é isso? – perguntou Taco.
         -Entre nós, bichos, não havia dono. Ninguém era dono de ninguém. Ninguém era animal doméstico. Foram os homens que inventaram isto.vieram os homens com laços e redes e puseram os animais dentro de cercados e os obrigaram a trabalhar para eles.
         Os cavalos, em outros tempos tão orgulhosos e livres, correndo pela campinas, viraram bestas de montaria e de carga.
         Não podem fazer o que querem porque os homens puseram freios nas suas bocas e apertam suas barrigas com esporas...
         Ah! Como eles choram de noite por haver perdido sua liberdade.
         Coisa parecida aconteceu com os cachorros, galinhas, vacas e bois, continuou o pai.                                                                                         Não são donos dos seus narizes. Têm de fazer o que os homens mandam. E quando não obedecem, apanham. Às vezes, quando não servem para mais nada, são mortos para serem comidos como churrasco ou como galinha assada. E a mesma coisa acontece com os patos que não aprendem a ser livres. Acabam virando animais domésticos. Passam a ter um dono...
         Os patinhos estremeceram. Mas o pai continuou.
         - Os homens descobriram, depois, que eles podiam domesticar uns aos outros, também.
         E passaram a fazer uns aos outros aquilo que tinham feito aos animais. Os mais forte ficaram donos dos mais fracos. Os mais fracos são obrigados a fazer a vontade dos mais fortes. E há homens e mulheres, centenas, milhares, que passam a vida inteira sem realizar o seu desejo mais profundo, aquilo que nos faz felizes. Só sabem fazer a vontade dos outros.
         Eles não aprenderam a liberdade.
         Foram domesticados.
         Taco, nesta hora, estava mais interessado em acompanhar o vôo de uma borboleta. Foi quando um bando de pardais passou, fazendo algazarra, com um convite:
         - Vamos brincar de pega?
         Taco, cansado com o “papo-furado’ do pai, saiu correndo e desapareceu. Foi atrás dos pardais. Brincar na verdade, era a única coisa que lhe interessava.
         “Meu pai se preocupa demais com a vida” , ele pensou.
         “Ainda há muito tempo. Depois eu penso nessa coisa chamada liberdade. A vida é muito boa...”.
         Os outros patinhos começaram o treinamento.
         Passavam horas a fio batendo as asas. Suas asas deveriam ser fortes para voar por muito tempo. Aprenderam a respeitar fundo porque, para voar nas alturas precisariam de muito ar. Seu pai lhe ensinou a voar sem esbarrar uns nos outros. E assim o tempo foi passando. Ficavam cansados. E tinham muita inveja do Taco, despreocupado.
         O tempo passou.
         O inverno foi chegando, aos poucos. O sol se escondia mais cedo. As folhas das árvores começaram a cair. A comida foi ficando mais difícil. Taco notou que não havia mais companheiros para a brincadeira... pareciam que todos haviam se escondido. Bandos de patos selvagens começaram a passar, voando lá nas alturas, perto das nuvens. Estavam de viagem, indo para onde era mais quente, para onde havia mais comida. Ele notou que sua família também se preparava para a viagem.
         Chegara a hora que ele pensara nunca havia de chegar. E ele começou a ter medo. Ele nunca havia treinado para ser livre. Nunca havia voado nas alturas. Apalpou os músculos de suas asas. Eram fraquinhos, murchos...mas era tarde demais.
         Chegou o dia da partida. Toda a família se reuniu e veio a ordem:
         - Bater as asas...
         Todos começaram a bater suas asas para esquentar o corpo.
         - Voar – grasnou o pai.
         Todos se elevaram.
         Menos o taco. Seu pai o viu, sozinho, no chão. Disse à mãe que continuasse.
         Haviam de se encontrar depois.
         Ele tinha de ficar para proteger o filho que não treinara para a liberdade.
         Fez uma longa cursa e voltou.
         Taco não conseguiu mesmo voar.
         O remédio era ficar, na esperança de que conseguiriam sobreviver.
         A comida faltava. O pai tinha que voar longas distâncias para buscar comida. Aí chegaram os caçadores. Ninguém os viu. Só se ouvia o trovão de suas espingardas, ao longe. Um dia seu pai saiu e não voltou mais. Aí os caçadores apareceram, com seus laços e redes, em busca dos animais que poderiam ser domesticados. Taco tentou fugir, nadando. Mas uma grande rede redonda caiu sobre ele.
         Foi levado para um sítio e bem tratado. A vida não era má. Ele tinha milho a vontade. Mas uma de suas asas foi cortada para não voar. E foi colocado atrás de uma cerca. Havia se transformado em um pato doméstico. Foi engordando, engordando... Quando o inverno ia chegando, havia o grasnar dos patos selvagens, voando lá nas alturas, brilhando sob a luz do sol.
         Foi só então que ele compreendeu o que seu pai lhe havia dito. Sentia um desejo profundo, lá no fundo, coisa doída parecida com saudade. Queria voar, voar com todos os patos selvagens.
         Por um momento esqueceu-se de tudo. Abriu suas asas, bateu-as com toda a força que era capaz. Chegou até a levantar os pés do chão. Mas era inútil. Muito gordo, músculos moles, asa cortada. Era um pato doméstico.
         O pato selvagem só vivia lá dentro do seu coração, como um grande desejo.
         Duas grossas lágrimas rolaram pela sua face.
         Mas elas não adiantavam de nada.
         Nesta hora, abriu-se a porta do cercadinho e seu dono jogou um punhado de milho.
         Mas ele não tinha fome.
Adaptações da história
 
A história sofreu algumas adaptações para ser contada. Alguns personagens foram acrescentados e outros foram banidos, já que tínhamos que distribuir os personagens de acordo com o número de integrantes do grupo.
 
O Patinho que não Aprendeu a Voar
Pato Taco: Boa noite!
Eu sou o pato Taco. Nasci da imaginação de Rubem Alves e faço parte da história “o Patinho que não aprendeu a voar”.
(Primeiro os personagens ficam de costas e logo se viram para o público conforme o decorrer da história).
Pato Taco: Adoro brincar com meus irmãos.
(Os irmãos viram-se e começam a brincar com Taco).
Primeiro Irmão: Eu quero ser um pato valente e selvagem.
Segundo Irmão: Eu quero ser capaz de voar muito longe! Muito alto, ser livre!
Pato Taco: Parem de falar isso! Eu quero é brincar sem esse papo de ser livre, de liberdade.
Primeiro Irmão: E você sabe, afinal, o que é liberdade?
Pai: Ora, ora, estou a observar vocês e percebi que não está claro o que é liberdade.
Liberdade é poder fazer aquilo que se quer muito, muito mesmo. Todos desejam a liberdade.
Sábia: O que eu mais quero é começar a cantar antes do sol nascer, aquele canto triste e comprido que faz com que todos fiquem felizes por que eu existo.
O mundo seria tão triste sem meu canto.
Nuvem: O que eu mais quero é virar chuva. Por que a chuva faz as plantas brotarem e nós nuvens ficamos mais felizes quando viram chuvas.
Rosa: O que eu mais desejo é tomar um banho de sol e espalhar o meu perfume.
Borboleta: Desde lagarta o meu maior sonho já era virar borboleta, para colorir e enfeitar este mundo.
Segundo Irmão: E nós o que mais queremos?
Pai: Nós somos patos selvagens. Nosso desejo mais fundo, a coisa que mais queremos, é voar. Voar alto, muito alto. Lá no alto é maravilhoso. Às vezes, de tarde, o sol vai se pondo, escondendo-se atrás das montanhas, as árvores, as montanhas, o vento, tudo esta quietinho. (Taco solta uma gargalhada).
Pato Taco: O que é isto papai? Voar nessas alturas? Aqui embaixo está tão bom.
Eu não sei voar! E não quero aprender a voar. Sei nadar, brinco de pique, me divirto à beça com meus amigos. O que mais pode haver de gostoso nesta vida?
Não existe nada que eu troque por uma corrida no ribeirão com minha amiga Sábia.
(O pato pai fica triste).
Pai: Eu não queria falar sobre isso agora, por que é muito triste, mas o pato que não aprende a ser livre acaba virando pato domestico.
Primeiro Irmão: O que é isto pato domestico?
Pai: A gente fica domestico quando arranja um dono.
Segundo Irmão: Como assim pai?
Homem: Ninguém era animal domestico. Fomos nós os homens que inventamos isso. Tiramos a liberdade dos animais os colocamos entre cercados e os obrigamos a trabalhar para nós. Não são donos de seus narizes. Tem que fazer o que nós homens mandamos. Quando não servem para mais nada, são mortos para serem comidos como churrasco ou como galinha assada. E a mesma coisa acontecem com os patos que não aprendem a ser livre. Acabam virando animais domésticos, passam a ter um dono.
(Os patinhos ficam com medo e a mãe os abraça protegendo-os).
Mãe: Mas os homens também descobriram que podiam domesticar uns aos outros. Os mais fracos são obrigados a fazer a vontade dos mais fortes. Há homens, mulheres, centenas, milhares, que passam a vida inteira sem realizar o seu desejo mais profundo, aquilo que nos faz felizes. Eles não conhecem a liberdade por que foram domesticados.
Pato Taco: Meus pais se preocupam demais com a vida. Ainda há muito tempo, depois penso nessa tal de liberdade.
Pai: Chegou o grande dia, vamos bater assas e respirar bem fundo, por que para voar nas alturas, precisamos de muito ar, vamos treinar a partir de hoje todos os dias.
Segundo Irmão: Nós vamos treinar né, por que o pato Taco ta nem aí!
(Fecha a cortina e abre)
Pai: O inverno chegou, vamos para mais longe, onde haverá mais comida, vamos voar bem alto.
(Pai faz a frente e os filhotes vão atrás.)
Mãe grita: Taco não conseguiu voar! Ele não está preparado para a liberdade. Por favor, faça alguma coisa.
(O Pai e Taco ficam abraçados no chão.)
Pai: Vamos todos voar. Voar bem alto não desistam! Estamos em busca de alimento e se não desanimarmos iremos encontrar.
(Taco fica triste em ver seus irmãos e seu pai partirem.)
(Entra o caçador prende Taco no cercado e joga milho.)
(Taco preso canta uma canção.)
 
 
REFLEXÃO DO AUTOR:
 
 
         Esta estória é sobre liberdade.
         Talvez que sejam os pais, mais que os filhos, aqueles que sentem a angústia...
         O que se quer dizer é que a liberdade do vôo é uma dádiva da disciplina...
         Meus amigos me disseram que esta estória se presta a mal-entendidos do tipo:
         “Está vendo, meu filho o que acontece aos menininhos que não obedecem aos seus pais?”
         Para evitar este perigo, imaginei que eu devia dizer que quem está contando a estória é um imenso pato gordo, num quintal, onde a abundância de milho, e que um dia o seu filho, vendo um ar de tristeza no seu rosto, lhe perguntou:
         - Porque é que você está triste, papai?
         E ele lhe tivesse contando a estória, sua própria estória.
         É estória da liberdade que nós pais, patos gordos perdemos...
         Bem que gostaríamos de voar de novo nas asas dos nossos filhos.
         Se eles não engordarem como nós...

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.